A Ciência da Psicomotricidade

Você sabe o que é psicomotricidade? Entenda como ela pode ajudar seu filho a crescer mais saudável! Deixe um comentário

Muitos pais e mães se sentem cheios de dúvidas sobre como garantir o desenvolvimento de seus filhos, especialmente no que diz respeito a estímulos para que possam crescer de maneira saudável, seguros e preparados para o futuro.

Se você também se sente assim, fique tranquilo, pois isso é totalmente normal e é por isso que nós estamos aqui: Para te ajudar a aprender como sair dessas terríveis dúvidas, e garantir que seu filho tenha um excelente desenvolvimento.

A psicomotricidade é essencial para o melhor desenvolvimento das crianças

Muitas descobertas da ciência têm ajudado pais e mães na criação dos seus filhos, em especial, a psicomotricidade que vem conquistando um lugar de destaque quando o assunto é educação infantil. Se você nunca ouviu falar desse campo científico e não faz ideia do que seja a psicomotricidade, fique calmo porque não é nenhum bicho de sete cabeças. 

Continue lendo até o final, pois neste artigo você vai entender melhor esse conceito e entenderá como ele pode te ajudar. Você também vai conhecer algumas brincadeiras psicomotoras para fazer em casa.

O que é psicomotricidade?

A psicomotricidade é a ciência que estuda o conjunto dos movimentos do corpo e a relação das suas ações com seu mundo interior e exterior

Segundo a Associação Brasileira de Psicomotricidade: “psicomotricidade é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado, em função das experiências vividas pelo sujeito, cuja ação é resultante de sua individualidade, sua linguagem e sua socialização.” Mas o que isso quer dizer afinal?

Isso significa que a psicomotricidade é uma ciência que estuda a aprendizagem, o desenvolvimento e o crescimento saudável dos pequeninos. 

E para isso ela conta técnicas que permitem que as crianças aprendam brincando e possam se tornar pessoas melhores, tanto quanto na capacidade de aprendizagem quanto nas suas habilidades  de lidar com seus afetos e de movimentar o seu corpo. Ou seja, ela permite que a criança um dia se torne um adulto saudável em todas as áreas de sua vida. 

Uma vez que a criança se encontra em processo de aprendizagem, é muito importante que ela desenvolva os seus movimentos físicos de maneira saudável como, por exemplo:

  • andar;
  • correr;
  • pular;
  • saltar;
  • etc.

Também é fundamental que ela consiga desenvolver sua capacidade afetiva:

  • saber ganhar e perder; 
  • saber expressar suas emoções com outras crianças e com os adultos;
  • saber amar e expressar carinho;
  • saber lidar com sentimentos ruins como raiva, decepção e outros.

Isso tudo junto com a sua aprendizagem cognitiva, que é aquela que se relaciona com a capacidade de escrever e fazer contas por exemplo.  

Muitos pais e mães acabam direcionando muita atenção apenas para o lado cognitivo. Ficam ansiosos por ver seus filhos aprenderem a falar as primeiras palavras, depois por vê-los escrevendo seu nome e por aí vai… 

O que acontece é que o desenvolvimento físico e afetivo acaba não tendo a atenção que deveriam ter, e é aí que surge a psicomotricidade: Para permitir que as crianças se desenvolvam em todas as esferas da sua vida

Alguns objetivos da psicomotricidade

O que é psicomotricidade
O conjunto de habilidades desenvolvidas na criança através da ciência da psicomotricidade pode ser aplicado por pais e educadores ao longo da infância
  • ensinar a criança a confiar em si mesma;
  • desenvolver coordenação motora; 
  • reforçar e valorizar a autoestima e identidade pessoal;
  • ensinar a criança a respeitar os sentimentos e a individualidade de outras crianças e dos adultos; 
  • estimular a comunicação e interação social.

O que pode acontecer se a psicomotricidade não for desenvolvida corretamente?

Em alguns casos, a falta do acompanhamento da psicomotricidade pode acarretar em algumas consequências prejudiciais ao desenvolvimento infantil. Com o passar do tempo, o pequeno pode apresentar certas dificuldades, como:

  • desenvolvimento excessivo de uma habilidade e pouco de outras
    • (Como por exemplo aquela criança que aprendeu muito bem a usar tecnologia, mas não sabe socializar e brincar com outras crianças)
  • confusão durante a utilização dos sentidos direita e esquerda;
  • dificuldade durante a distinção de letras como p e b;
  • dificuldades com leitura e escrita;
  • entre outros tantos problemas de mesma natureza.

Como trabalhar isso em casa?

Embora a psicomotricidade seja mais trabalhada em ambiente escolar. Os pais também podem promover em casa ou qualquer ambiente familiar, excelentes jogos brincadeiras para ajudar o desenvolvimento infantil, garantindo que seus filhos aprendam a se movimentar, sentir e pensar plenamente. São exemplos destas brincadeiras educativas:

Pular corda:

Permite o desenvolvimento amplo da coordenação motora, equilíbrio, além de ajudar na formação da coluna, desenvolve também habilidades afetivas (aprender ganhar e perder, saber lidar com regras das brincadeiras com corda, socialização com outras crianças).
Materiais: Corda
Desenvolvimento: No princípio a criança pode precisar da ajuda de uma pessoa para conseguir estabelecer uma relação entre a batida da corda e o pulo. Caso seja necessário, bata a corda ao lado da criança para que ela possa ir se acostumando com o movimento.

Castelo de copos ou cartas:

Permite o desenvolvimento da coordenação motora fina, identificação corporal e ajuda a trabalhar frustração.
Materiais: Um baralho de cartas ou um conjunto de copos de plásticos.
Desenvolvimento: Ajude a criança nos primeiros momentos e busque mostrar como realizar os movimentos para construir o castelo.
Cuidado: busque demonstrar paciência e cumplicidade, afinal, o castelo pode desmoronar várias vezes e causar alguma frustração na criança.

Deslocamento de bola:

Permite o desenvolvimento da coordenação motora ampla, equilíbrio e socialização.
Material: Uma bola.
Desenvolvimento: A criança deve tentar caminhar e passar a bola entre as pernas em forma de 8. Caso seja necessário, dê a mão para a criança e a ajude a realizar o movimento.

Cada brincadeira deve ser pensada com base na idade da criança, pois, bebês e crianças com menos de 2 anos, por exemplo, não vão conseguir pular corda.

Você conheceu três ótimas brincadeiras, mas existem muitas outras que podem te ajudar a oferecer um desenvolvimento completo para o seu filho. Também existem diversos brinquedos que auxiliam nessa função, se você quer conhecer mais brinquedos assim confira as super dicas das melhores brincadeiras para divertir pais e filhos.

Muito bem! Agora que você aprendeu um pouco sobre a psicomotricidade, não deixa de colocá-la em prática, separe um tempo livre para brincar com os seus filhos sempre pensando no seu aprendizado completo. Junte a diversão com o aprendizado: Como dizia Piaget, “brincar é o trabalho da infância.”

Gostou do artigo? Quer ler mais sobre esse assunto? Acompanhe nossa página  e siga-nos no Facebook e Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *